O PRIMEIRO AMOR

(Segunda mensagem da série PRIMEIRO AMOR)

 

Os orientais e, agora não sei dizer se os japoneses ou chineses, dizem que um quadro vale mais do que mil palavras. Creio que sim. É vendo como se faz que aprendemos como fazer. Definir a expressão PRIMEIRO AMOR seria fácil, mas é mais eficiente mostrar em quadros o que é esse PRIMEIRO AMOR que é tão importante na nossa relação com Deus e em conseqüência com os outros seres iguais a nós.

A Igreja quando começou mostrava esse PRIMEIRO AMOR em sua relação de um membro para com o outro. O projeto de Deus para a Igreja é o mesmo para toda a sua existência. Vejamos.

 

E com muitas outras palavras isto testificava, e os exortava, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa. De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister. E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar (Atos 2.40-47).

 

Sempre que o homem entra em verdadeira comunhão com Deus, amando-o, servindo-o, tendo se arrependido de seus pecados, ele passa a ter um bom relacionamento com Deus e, como dissemos, com o seu semelhante. É isso exatamente o que o texto de Atos nos mostra.

 

O apóstolo Pedro, era um homem de qualidades de liderança demonstradas desde muito cedo. Porém, essas qualidades precisavam ser lapidadas. Durante seus três anos com o Senhor Jesus, Pedro recebeu treinamento e muitas vezes não correspondia ao ensino. O fato mais lamentável, talvez, tenha sido sua traição a Cristo. Entretanto, Ele, Pedro, se converteu de fato e, depois disso tornou-se um grande líder pastoreando e levando pessoas ao arrependimento. Ele dele a exortação: Salvai-vos desta geração perversa. Pedro passou a demonstrar pelo amor às almas perdidas seu PRIMEIRO AMOR.

 

Os três mil convertidos de bom grado receberam a Palavra e foram acrescidos à Igreja. O BOM GRADO, isto é, a boa vontade marca o PRIMEIRO AMOR dos novos convertidos. Esse BOM GRADO ou boa vontade os faziam seguir fielmente a doutrina. Enquanto hoje desprezam a sã doutrina a custo da “unidade” estes estavam firmes no ensino bíblico. Eram capazes de dispor de suas propriedades para ajudar aos necessitados. Demonstravam amor em situações simples como o partir do pão (as refeições). A alegria que demonstravam e a singeleza de coração são marcas características do PRIMEIRO AMOR.

 

A Igreja primitiva tinha o modelo de como deve ser qualquer Igreja que se julgue a Igreja de Cristo. Ela deve mostrar o PRIMEIRO AMOR. Quando a comunidade vive no PRIMEIRO AMOR TODOS SAEM GANHANDO.

 

VISITE OS BLOGS DE POESIA DO PASTOR LUIZ FLOR:

PULPITO.BLOG.TERRA.COM.BR E POESIADEGRACA.BLOGSPOT.COM

QUER FALAR COMIGO SOBRE MEUS TEXTOS? USE MEUS E-MAILS:

Luiz-flor@hotmail.com e Luiz-pastorflor@hotmail.com

Published in: on abril 7, 2009 at 2:21 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://luizflor.wordpress.com/2009/04/07/o-primeiro-amor-2/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: